Skip to content

O estilo de Lil Peep

novembro 26, 2017

Quem foi Lil Peep? Muita gente pode estar fazendo essa pergunta, agora que a morte de Gustav Ahr anda pela mídia, instagram, sites e youtube… o cara era rotulado como “futuro do emo”. Na verdade emo é a maneira que as pessoas encontram de rotular coisas que não podem ser nomeadas. Enfim, Gustav Ahr tinha um estilo bastante peculiar, que mistura elementos de rap e hip-hop com o estilo punk e emo. Eu o vejo como um crust punk com elementos hip-hop e rap (tanto nas tattoos quanto nas roupas). Sobre as cores, isso também é uma herança do hip-hop old school que se prendia muito mais às cores vibrantes e elementos escandalosos, como o Public Enemy. Infelizmente essa herança anda um pouco perdida. Quem acompanha a 1 KG por exemplo, percebe que os caras estão muito mais próximos do estilo hardcore, usam muito preto (mas isso é assunto para um próximo post). Enfim, o próprio Lil Peep fala que não tem um estilo certo para se vestir, ele era muito copiado na época de colégio e absorveu que deveria estar sempre mudando. A única coisa que importa para ele é parecer o mais punk possível.

Legendado por Kobane, Lil Peep explicando suas tattoos e estilo

 

Sobre a música, ah isso é bem louco…tal como o estilo. Especialistas falam que ele faz trap, um estilo instrumental experimental, que incorpora sons e onomatopeias, sintetizadores e até mesmo instrumentos de corda para criar uma atmosfera triste, sombria, cruel e sinistra.  A herança do Lil Peep também alcança o pós-punk e gótico, influência assumida em suas roupas e títulos de músicas. O cara, como todo jovem de seus vinte anos é diretamente ligado na cultura de massa (e a viralização da internet e redes sociais, inclusive como plataforma de trabalho e sucesso), tendo em suas músicas títulos de quadrinhos (como a excelente Hellboy, personagem em que ele se declara fã).

Trecho da música HellBoy

2017-11-18_23.08.59-1.jpg

O emo também é grande influência para Peep, que gosta de “My Chemical Romance” mas vejo que muitas vezes ele soa como “Good Charlotte” (tanto nas referência de videoclipes quanto na música). Ele é fã de “Joy Division” também e podemos notar muitas referências pós-punk em seu trabalho. O conteúdo do trap também um prato cheio para o rap (e para Lil Peep), possui temas como vida cotidiana, pobreza, sexo, desiguadade social, religião, violência, dificuldades e experiências do rapper na sua vida urbana. E isso Lil Peep fazia muito bem: contava experiências de vida, vazios existenciais gerados pela ausência de um amor verdadeiro (e excesso de pessoas “interesseiras” agora que havia alcançado sucesso, além do vício em drogas, a depressão, a maneira como a sociedade encara quem não se encaixa – para isso ele usa além dos lugares-comuns, o tema bruxaria em suas músicas. Então fica bem forte a questão do modernismo, o materialismo e consequente niilismo, gerado pelo esvaziamento e descentramento de um sujeito que clama por ajuda (e está aí algo para pensar, muitas vezes ele fala sobre depressão e problemas com drogas em suas músicas), tal como Kurt Cobain (que ele era fã). Dois jovens que são produtos (e vítimas) de uma sociedade alienada, que trata tais assuntos com desdém (apesar de glamourizar isso o tempo todo). 

Trechos da música “The Brightside”

2017-11-21_22.46.15.jpg

2017-11-21_22.44.12.jpg

2017-11-21_22.41.50.jpg

 

Trecho da música “No Respect freestyle”

2017-11-20_08.10.43.jpg

Lil Peep também era bem crítico em relação a ostentação. Na mesma música (“Benz Truck”) ele se vangloria de ter um jipe “Mercedes Benz”, a mulher e os amigos que quiser,  para logo depois em uma cena do videoclipe aparecer sozinho em um lugar idílico, com uma igreja ao fundo (inclusive um túmulo). Em outro trecho, posterior a ostentação, ele aparece dentro da Igreja. Ao  fundo,  ícones cristãos em um vitral. A crítica ao materialismo fica bem clara pelo retorno a metáfora visual extremamente forte que faz referência a morte. Como se não bastasse, a placa “All Alone” atrás dele quase no final do clipe.

 

BenzTruck.jpg

BenzTruck2.jpg

Ele diz que todos o odeiam (provavelmente pela fama e dinheiro) e fala com humildade que o dinheiro que ele ganha nunca vai mudar quem ele é.

2017-11-22_22.25.33-1.jpg

Lil Peep fazia parte coletivo do GBC, o Goth Boi Clique junto com outros caras, de nomes e estilos tão interessantes quanto ele: Wicca Phase (também adoro a vibe pós-punk dele), Lil Tracy, Horse Head e Cold hart. Esse coletivo teve a intenção de misturar emo, gótico e rap/hip-hop, se possível com mais experimentalismo e ruídos.

GBC

Lil Peep, Lil tracy, Wicca Phase, Horse Head e Cold Hart: Goth Boi Clique

Vamos ao estilo do rapaz? Amo demais! Lil Peep era apaixonado por moda: bonito, alto e magro era queridinho de estilistas pela originalidade do seu visual e suas tattoos.

Lil Peep na passarela e uma clara crítica ao endeusar astros depois da morte: “Quando eu morrer, vocês vão me amar”.  

LilPeepPassarela.jpg

Essa é do início da carreira do Lil Peep, bem novinho. Ele começou em 2015.

LilPeep3.jpg

LilPeep4.jpg

LilPeep0.jpg

Lil Peep já teve franja mais longa e cabelos coloridos, que fazem a gente lembrar bastante da onda emo de anos atrás.

LilPeep1.jpg

Camiseta com referência pós-punk (Joy Division)

LilPeep2.jpg

 

As referências cholo e a ostentação do hip-hop sempre presentes: diamante nos dentes.

 

LiPeep6.png

 

Ele também poderia soar como um clubber saído dos anos 90, tal como o Keith Flint (“Prodigy”)

 

LilPeep6.jpg

 

Ou como um cholo

CholoLil.png

lil-peep-cause-of-death.jpg

Ou como um cholo pastel goth (ele usava muito rosa)

LilPeep5.jpg

As tattoos com referências excelentes:  Tanto Ed Hardy (que fez o desenho da tattoo da sua cabeça) quanto ícones da cultura de massa, cholo e punks. Ele também possui tattoos com o tema “halloween” (pois nasceu na noite do dia 31 para o dia 01/11 – seu aniversário). Outras que chamam atenção, são as tattoos de suas músicas que fizeram mais sucesso: como “Cry Baby” e “Hellboy”.

Nesse video (por FeedTheLyrics), Lil Peep fala sobre Halloween e a vez que se vestiu de Gerard Way mas ficou a cara do Eminem, rs…

 

As referências ao halloween são variadas: os morcegos no pescoço, a abóbora no braço, a data do seu aniversário na barriga e as caveiras são algumas delas.

LilPeepHalloween.jpg

 

Um detalhe excelente de Lil Peep é que ele pintava as unhas de vermelho, eu achei isso muita ostentação! Aqui o estilo dele está mais atual e punk. 

 2017-11-17_21.06.58-1-1.jpg

Um colete que mistura crust punk e pastel goth

 

Brightside2.jpg

Brightside.jpg

No maior estilo rapper, com camiseta de time

LilRapper.jpg

Tênis nike customizado com “GBC – Goth Boi Clique”, seu nome e uma teia de aranha

lil-peep-3.jpg

Enfim, as referências de Lil Peep são as mais variadas. É dificil de rotular seu estilo ou encontrar um padrão único que se repete em suas roupas. Ele gostava de bastante rosa (às vezes no look inteiro), unhas pintadas de vermelho ou rosa, roupas camufladas, coletes punks, roupas esportivas (com pegada rap e hip-hop), elementos infantis como Hello Kitty e desenhos animados, entre outros.

LilPeep9.jpg

LilPeep11.jpg

LilPeep12.jpg

LilPeep13.jpg

LilPeep14.jpg

 

Lil Peep merecia ter vivido mais, mas façamos juz ao seu legado. O cara era humilde, simples e amava muito sua família (especialmente sua mãe, com quem tinha uma ligação muito bonita). Escrever sobre ele foi minha homenagem ao “Goth Boi Clique” e principalmente Lil Peep, porque eu acredito que ele era um dos melhores do estilo que fazia e iria mudar profundamente o rock através do trap. Ele é a cara do universo alternativo moderno, que cada vez mais se torna fluído e propenso as mudanças.

Referências do Youtube: Tradutores Rodrigo Castro “Pills and Knives” e Kobane

 

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

jimgoforthhorrorauthor

Horror author. Extreme metal fanatic. Husband. Father.

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

vamosparalondres

um autoguia para a minha viagem à capital britânica

A Virgem Boêmia

Entre palavras e cervejas

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

REQUADRO

Just another WordPress.com site

Supernova de Estilos

Um espaço para arte, moda, música, textos e tudo o que for interessante e novo (ou vintage)!

blog da Revista Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, ISSN 1519-6186 – ANO XVII - Mensal - Conselho Editorial: Ana Patrícia Pires Nalesso, Ângelo Priori, Antonio Ozaí da Silva, Carlos Serra, Celuy-Roberta Hundzinski, Eliel Machado, Elisa Zwick, Eva Paulino Bueno, Henrique Rattner (in memoriam), Josimar Priori, Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira (in memoriam), Paulo Cunha, Raymundo de Lima, Renato Nunes Bittencourt, Roberto Barbato Jr., Rogério Cunha de Castro, Rosângela Praxedes e Walter Praxedes. Editor: Antonio Ozaí da Silva

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Felinne Criações

Bastidores dos trabalhos, projetos, e vida Felinne ;)

Drunkwookieblog

Porque esperar pelo G.R.R Martin não dá

Lembrar ou Esquecer?

Depois de um tempo...

A CASA DE VIDRO

Plugando consciências no amplificador! Um projeto de Eduardo Carli de Moraes.

%d blogueiros gostam disto: